Isso é arte?


Algum tempo atrás, falei aqui sobre O que é arte?, hoje vim abordar um tema relacionado. Muitas vezes já escutamos frases como: “Mas isso é arte?”, “Eu também poderia fazer isso...” ou “Até uma criança de 5 anos faz”. Primeiro de tudo, devemos ser compreensivos, este tipo de comentário é um reflexo de uma sociedade onde ainda falta muito acesso à cultura e arte. Sim, e vivemos nela.

Por outro lado, também falta empatia na hora de comunicar-se. E claro, conhecimento mais aprofundado no assunto. Frases assim são bem vazias quando estamos falando sobre o fazer artístico, afinal, a arte vai muito além do que gostamos ou não, das nossas habilidades, ou do que conhecemos como arte.

Qual a intenção do observador ao dizer que uma obra de Pollock por exemplo poderia ser feita por uma criança? Falta de conhecimento? Existe maldade nisso? Às vezes...

Uso Jackson Pollock como exemplo pois suas obras chegaram a um nível do "grande público" e não apenas dos artistas ou interessados em arte. Isso se deve por que a técnica que dele aplicava nas suas pinturas, conhecida como dripping, era bastante curiosa e por que não, inovadora para aquele momento. 

Pollock praticamente dançava ao redor das enormes telas no chão, com um pincel ou até um bastão de madeira na mão, ele deixava gotejar a tinta, dedicando a mesma intensidade a toda a superfície, sem escolher uma parte superior ou inferior. As composições são um reflexo dos seus movimentos durante o processo criativo. Com isso, ele liberava suas obras de um compromisso formal ou tradicional, que vai além da superfície pictórica. Ele foi considerado uma figura chave da pintura norte americana após a Segunda Guerra Mundial e um grande nome dentro da técnica da Action Painting.

Agora, depois de falar um pouco sobre Pollock e lembrando aquelas colunas que comentei no outro post que podem servir como um alicerce para a definição de arte (imaginação, técnica, emoção, conceito, contexto histórico e social, liberdade) fica mais fácil propor uma reflexão de maior amplitude sobre o tema. Ou seja, se uma criança não fez algo caminhando entre estas possibilidades de definição para a arte, talvez não seja realmente arte e sim uma manifestação criativa normal para sua idade. E tá tudo bem! O que não podemos fazer é limitar o fazer artístico apenas à um resultado visual-estético.

"- Certeza que isso é arte? Até eu sei fazer isso..."

Sim, é verdade... Mas ele fez primeiro.

Se voltarmos na história e em alguns movimentos artísticos, encontraremos facilmente e entenderemos motivos ou momentos sociais que levaram artistas a desenvolver novos processos, conjunto de ideias, formas de expressão...

Ao observar uma obra ou um trabalho de um artista, faça-o de verdade, dedique tempo para analisar, conhecer, não se prenda apenas ao visual ou o que você “considere” como arte. Permita-se ao novo. E o mais importante, arte não é uma coisa só, é um conjunto de elementos que dizem que ela é. Não é somente o resultado final, é um processo.

Não precisamos ter uma opinião formada sobre tudo, muito menos ter respostas elaboradas sobre todas as questões que nos apresentam. Vejamos as obras de arte de outra perspectiva que permita que as apreciemos mais.

Um abraço!
Fabi


Leave a comment


Please note, comments must be approved before they are published